Cloud, Nuvem, Cloud Computing ou Computação em Nuvem. Embora sejam termos ou expressões muito utilizados hoje em dia, pouca gente sabe de fato o que significa. O NIST, National Institute of Standards and Technology, órgão que faz parte do Departamento de Comércio do governo norte-americano tem publicada uma definição clara do que é Computação em Núvem:

“um modelo para acesso a rede sob demanda, ubíquo (onipresente) e conveniente para um pool compartilhado de recursos computacionais configuráveis que podem ser rapidamente provisionados e lançados com mínimo esforço de gerenciamento ou interação com o provedor de serviços”

Ou seja, para ser considerado como Computação em nuvem, ou cloud, um serviço  tem que ter as seguintes características:

  • Deve ser um autosserviço sob demanda;
  • Deve ser acessado via uma rede de banda larga;
  • Deve possuir um pool de recursos;
  • Deve ser elástico, ou seja, rápida elasticidade ou expansão;
  • E deve possuir um serviço de mensuração.

Um serviço em nuvem deve também poder ser classificado em três modelos de serviço (software, plataforma ou infraestrutura) e quatro modelos de desenvolvimento (privado, comunitário, público e híbrido) que, juntos, categorizam modos de entrega de serviços em nuvem.

Software como serviço

É um tipo de serviço em nuvem onde o usuário tem acesso a uma aplicação final. Ex: WordPress.com (serviço de blogs) e Dropbox (armazenamento em núvem).  

Plataforma como serviço

É um serviço de cloud em que o usuário tem disponível uma plataforma onde irá rodar sua aplicação. Ex: Openshift, Microsoft Azure, Heroku.  

Infraestrutura como serviço

Neste tipo de serviço o usuário tem a sua disposição ferramentas para rodar seu próprio sistema operacional e recursos de rede. Ex: Digital Ocean, Amazon AWS, CloudSigma.  

Veja a publicação na íntegra